O GOVERNO DO PR ESTÁ LONGE DE ACABAR COM OS LIXÕES E CONCRETIZAR A LEI DE RESÍDUOS SÓLIDOS.

Atualizado: 16 de Nov de 2019

Ao contrário do que se vê na mídia escrita e falada que o Brasil está longe de acabar com os lixões, o Grupo Iner – Sistema Iner de Resíduos Sólidos, está mudando totalmente o paradigma do lixo no Brasil. Os lixões estão com os dias contados!



Marcio Nunes

Secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná




Segundo o Jornal Folha de Londrina, segunda cidade maior do Estado, a matéria: “O Paraná está longe de concretizar a Lei de Resíduos Sólidos”.


O Jornal Gazeta do Povo, jornal de maior circulação no Estado do Paraná, traz a matéria: "O fim dos lixões no Brasil ainda está longe de acontecer?"


Visando resolver o problema do lixo no Brasil, atendendo a Lei 12.305/2010, que trata sobre Política Nacional de Resíduos Sólidos, a Confederação do Elo Social Brasil – CESB, criou o Grupo Iner – Sistema Iner de Resíduos Sólidos e lançou o Projeto “Lixo Zero, Social 10”.


Segundo dados do Plano Nacional de Resíduos Sólidos, o Brasil ainda possui 2.906 lixões, distribuídos em 2.810 municípios, e 1.310 unidades de aterros controlados, localizados em 1.254 municípios. A falta de recursos financeiros tem impedido o avanço mais acelerado nesta área. Pouco mais de 5% dos municípios brasileiros possui uma população acima de 100 mil habitantes. Estruturar um aterro sanitário para cada um destes municípios é muito oneroso.


O que muitos não sabem é que o descarte inadequado dos resíduos acarreta na contaminação do solo e o lençol aquático, gerando doenças entre elas a leptospirose e hepatite.


De acordo a Lei 12.305/2010, que trata sobre Política Nacional de Resíduos Sólidos, cabe às prefeituras municipais coibir os pontos irregulares de descarte, promover a recuperação do local, e implementar o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.


A gestão de resíduos é de responsabilidade dos municípios. Eles devem ter um planejamento de coleta e destinação: quem vai coletar, como vai ser feita a coleta, a separação dos recicláveis, tudo isso cabe à prefeitura.


Lixões municipais são lugares abertos, sem controle ambiental, onde pessoas têm livre acesso para entrar e cavoucar o que os outros jogam fora sem cuidado sanitário algum. Para especialistas, é o pior cenário ambiental e social quando se fala em resíduos.


Os lixões são muitas vezes mal operados. O que isso pode trazer? Doenças, pessoas que se dispõem do lixo para alimentação. Isso tem que ser erradicado. Outra questão é a do chorume, que vai atingir corpos hídricos e o próprio solo. Se não for adequado, vai atingir corpos de água subterrâneos, onde muitas vezes há depósitos que as pessoas usam para abastecimento.

Mas os dados mais recentes sobre o problema do lixo no estado seriam do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), órgão do governo do Paraná. Um relatório do ano de 2012 apontou que, dos 399 municípios do Paraná, 46,4% possuem aterros sanitários regularizados. Outros 121 municípios (30,3%) possuem “aterros controlados”, ou seja, que não cumprem integralmente as regras ambientais em vigor. Outros 93 municípios (23,3%) possuem os chamados “lixões”.


Como estes dados do IAP - Instituto Ambiental do Paraná são de 2012, o crescimento da população nos últimos sete anos e devido a políticas inadequadas, pode se ter uma ideia do tamanho problema do lixo no Paraná.


No Paraná são 399 municípios e segundo a Sema (Secretaria Municipal do Meio Ambiente), 40,4% dos municípios do Paraná ainda dispõem seus resíduos sólidos urbanos (RSUs) em condições inadequadas.


Os quase 3.000 lixões identificados no Brasil em junho de 2017 afetam a vida de 76,5 milhões de pessoas e trazem prejuízo anual para os cofres públicos de mais de R$ 3,6 bilhões, valor gasto para cuidar do meio ambiente e para tratar os problemas causados pelos impactos negativos dos lixões, sem contar que são enterrados R$ 120 bilhões todos os anos com o lixo.


Por outro lado, os investimentos necessários para dar destinação adequada aos resíduos no Brasil, em atendimento às disposições da Política Nacional de Resíduos Sólidos, demandam cerca de um terço daquele total.

Grupo Iner – Sistema Iner de Resíduos Sólidos mudando totalmente o paradigma do lixo no Brasil.


Visando resolver o problema do lixo no Brasil, atendendo a Lei 12.305/2010, que trata sobre Política Nacional de Resíduos Sólidos, a Confederação do Elo Social Brasil – CESB, criou o Grupo Iner – Sistema Iner de Resíduos Sólidos e lançou o Projeto “Lixo Zero, Social 10”.

Projeto único no Brasil com 1486 (hum mil, quatrocentos e oitenta e seis) usinas, 110 (cento e dez) regionais com capacidade para atender todas as cidades do Brasil, com mais de 10.000 (dez mil) diretores empossados e investimentos apenas da iniciativa privada, todos os funcionários registrados pela CLT, com todos os benefícios, neste projeto que visa acabar de vez com o problema do lixo no Brasil e atender a Lei nº 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) é bastante atual e contém instrumentos importantes para permitir o avanço necessário ao País no enfrentamento dos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos.


No Paraná com uma população de 11.168.226, distribuídas em 399 municípios, contempla um total de 9 CTF, 50 Ctts Simples, 38 Ctts Duplos, 82 prédios sociais e 6 prédios seccionais, divididos em 6 regionais e 71 consórcios, contando com 665 diretores empossados. Faz parte do Sistema Iner, 29 Cooperativas CooperIner e 3 Cooperativa Desmanche Car.

As Usinas Iner de Resíduos Sólidos, estão sendo comercializadas em todo o Brasil, os empresários investidores interessados, poderão entrar em contato com os assessores empresariais representantes do Sistema Iner, no site:

https://www.grupoiner.com.br/viabilidade-economica


O Grupo INER, lançou em todo o Brasil, um projeto que dá destinação correta aos resíduos sólidos, de iniciativa privada sendo comercializado em todo o país, valorizando os catadores de lixo, denominados por nós de SELECIONADORES DE RIQUEZAS. Mas, apesar de notificarmos as prefeituras, Ministério Público, Governos: estaduais, municipais, federal e empresas do ramo do lixo, notamos que o interesse em solucionar de uma vez por todo esse câncer ambiental é pouco, e monopólios lidam com interesses próprios que impedem que o projeto avance e resolva de vez a problemática do lixo no Brasil.


O ramo do lixo, está na moda, todos citam a necessidade de cuidar do meio ambiente, garantir o futuro de nossos descendentes, mas a ação para que essa preservação realmente aconteça é pequena diante da grandiosidade e gravidade da situação.

A máfia do lixo existe e lucra sozinha, escravizando os catadores que para a sociedade, são pessoas invisíveis circulando pelas ruas com carrinhos de coletas, selecionando o lixo que descartamos em nossas casas, fazendo um importante trabalho de seleção de resíduos para garantir o sustento de sua família, que muitas vezes não tem o que comer em casa. Esses são verdadeiros trabalhadores que trabalham de sol a sol, vagando pelas ruas vivendo sob a ameaça constante de estar vivo num esquema de escravidão, para manter o monopólio do lixo intacto.


Assessores empresariais do grupo INER, realizaram minuciosa pesquisa dos valores de descartes pagos pelas prefeituras, nos 26 Estados da Federação Brasileira e Distrito Federal, e os valores são absurdos. Muitas das prefeituras, pagam além do descarte do lixo aos “aterros sanitários” que acabam virando lixão, o transporte e custos dessa licitação, e o problema, perpetua-se a décadas.


Segundo o que rege a Lei 12.305/2010 que erradica os lixões no Brasil e outras séries de leis criadas, ainda não conseguiram serem cumpridas. Cobramos ao Governo Federal vigente, a execução imediata dessa lei e exterminação dos lixões a céu aberto em todo o país. TAC’s (Termo de Aditamento e Conduta) têm sido assinadas e prazos estendidos, enquanto isso, a população adoece, catadores são marginalizados e escravizados e a lei vem sendo descumprida. Uma vergonha para um país que tem tudo para ser uma das maiores potências ecológicas do mundo. O pulmão do planeta Terra. O Brasil, é o coração do mundo.


Preocupados com isso, o SISTEMA INER junto com a Confederação do Elo Social do Brasil, criaram o Projeto “LIXO ZERO, SOCIAL 10”, que foi idealizado pelo Presidente do Grupo INER, Jomateleno dos Santos Teixeira.


Ele esteve há poucos meses, em reunião com o senhor Ministro do Meio Ambiente, em Brasília, Sr Ricardo Salles, ao qual está ciente da existência da iniciativa privada do Grupo INER que contempla a Gestão de Resíduos Sólidos através de usinas de processamento e beneficiamento, que irá gerar riquezas aos empresários investidores, arrecadação de impostos aos municípios, redução de despesas e problemas municipais com o lixo, geração de novos empregos, aliados a ações sociais junto a catadores e seus familiares através do ELO SOCIAL BRASIL / Social do Cidadão e o SINDETAP (Sindicato Nacional dos Decoradores e Tapeceiros – este sindicato é Patronal) onde os catadores serão instruídos em cursos para formar decoradores e tapeceiros, fazendo o reaproveitamento com a reciclagem de itens oriundos do lixo.


Estes cursos visam transformar o lixo em produtos de decorações e os móveis em artigos de luxo, trazendo aos catadores que fizerem nossos cursos a dignidade de uma profissão e possibilidade de serem microempreendedores, com todos os direitos preservados pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), além de junto à COOPERINER fazer uma história diferente da que vivem hoje.


Imaginem vocês passarem o dia arrastando pelas ruas uma carroça de papéis, garrafas pet, papelão ou outro reciclável... passar o dia no sol, com sede, fome e em precárias condições rumo ao stress das grandes cidades, para no final do apanhado juntar 1 kg de papelão e vender a R$ 0,15 (quinze centavos) garrafa PET e vender a R$ 0,60 (sessenta centavos)? Quão humilhante e trabalhoso é não é mesmo? No final do dia, conseguem no máximo dinheiro para comprar uma única refeição para a família, no dia. Os catadores que trabalharem em nossas usinas serão valorizados e terão todos os direitos que um trabalhador precisa para sobreviver com dignidade.



LIXÕES COMEÇAM A SEREM FECHADOS NO BRASIL


No Estado de Sergipe, ADEMA, órgão do meio ambiente, começa a fechar os lixões por não cumprirem a Lei de Resíduos Sólidos 12.305/2010.


Matéria da RIC TV Atalaia - Sergipe


O Grupo Iner no Paraná como em todo o Brasil, está dando a oportunidade a 40 pequenos empresários que queiram se unir e investir até R$ 100 mil reais cada um e formar uma empresa para adquirir uma Usina com todo o acompanhamento do Grupo Iner.


Para conhecerem o nosso Projeto, o Site https://www.grupoiner.com.br/viabilidade-economica tem todo o passo a passo.


No Paraná os interessados poderão enviar e-mail para presidencia.elosocialpr@yahoo.com aos cuidados de Ocimar da Silva com assunto: investidores.




Fontes:

Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná

IAP - Instituto Ambiental do Paraná

G1 Paraná RPC - Destinação do Lixo no Paraná

Folha de Londrina

Gazeta do Povo



Realização: Federação do Elo Social Paraná

Ocimar Ferreira da Silva - diretor-presidente OMS 3508

Dúvidas e/ou informações podem ser solicitadas pelo e-mail:

presidencia.elosocialpr@yahoo.com

150 visualizações

Diretoria de Implantação de Projeto:

Rua Cecília Bonilha nº 145, São Paulo - Capital - (Sede Própria) Telefone: +55 (11) 3991-9919 Todos os Direitos Reservados​ © 2018

"Movimento Passando o Brasil a Limpo"